Papa no Angelus: Não deixemos Jesus esquecido em um canto no fundo do barco


Papa no Angelus de 20/06/2021 (imagem: Vatican News)
Papa no Angelus de 20/06/2021 (imagem: Vatican News)

Quantas vezes deixamos o Senhor em um canto, no fundo do barco da vida, para despertá-lo apenas no momento da necessidade

[Eduardo Honorato Paulo, 21/06/2021 – Redação CatolicaWeb] Neste domingo, dia 20 de junho, mais uma vez o Papa Francisco falou aos fieis reunidos na Praça de São Pedro durante a recitação da oração do Angelus, recordando o Evangelho de São Marcos, em que Jesus acalma a tempestade.

O Santo Padre nos explica o sentido do sono de Jesus, que durante a tempestade dormia deitado em um travesseiro. Ele nos diz que o Senhor estava ali, junto com seus discípulos passando pelo mesmo perigo que eles, mas dormindo esperava ser invocado, esperava ser chamado e envolvido:

Muitas vezes nós também, assaltados pelas provações da vida, gritamos ao Senhor: ‘Por que ficas em silêncio e não fazes nada por mim?’”. Devemos lembrar que “apesar de estar dormindo, Jesus está lá e compartilha com seus discípulos tudo o que está acontecendo. Seu sono, se por um lado nos surpreende, por outro nos põe à prova”. “O Senhor, de fato, espera que o envolvamos, que o invoquemos, que o coloquemos no centro do que vivemos. Seu sono nos provoca a acordar. Porque, para ser discípulos de Jesus, não basta crer que Deus está presente, que existe, mas é preciso se envolver com Ele, é preciso também levantar nossa voz com Ele, gritar a Ele”

Francisco ressalta que a atitude dos discípulos de acordar Jesus e falar com Ele é uma demonstração de fé, diz que não devemos ter medo de invocar a Deus, de orar de “perturba-lo”. Jesus deve ser sempre nosso primeiro socorro:

O Evangelho nos diz que os discípulos se aproximam de Jesus, acordam-no e falam com ele”. Este é o começo de nossa fé: “Reconhecer que sozinhos não somos capazes de permanecer à tona. A fé começa com a crença de que não somos suficientes para nós mesmos, com o sentimento de necessidade de Deus”. “Quando superamos a tentação de nos fecharmos em nós mesmos, quando superamos a falsa religiosidade que não quer perturbar Deus, quando clamamos a Ele, Ele pode fazer maravilhas em nós. É o poder suave e extraordinário da oração que faz milagres”.

Por fim o Papa ensina que não devemos parar em nossos medos e nos problemas de nosso cotidiano, além de todos eles existe a realidade divina que é muito maior. Nosso coração deve aprender a estar calmo porque o Senhor está conosco apesar do que possa acontecer, e não nos esqueçamos nunca de “acordar” o Senhor e não “deixa-lo esquecido em um canto do barco”:

Depois de Jesus perguntar aos discípulos: ‘Por que tendes medo? Ainda não tendes fé’? nos damos conta que devemos olhar para Jesus e não se deixar levar pelo medo. “Quantas vezes ficamos olhando para os problemas em vez de irmos ao Senhor e lançarmos nossas preocupações n’Ele! Quantas vezes deixamos o Senhor em um canto, no fundo do barco da vida, para despertá-lo apenas no momento da necessidade! Não cansemos de buscar o Senhor, de bater na porta de Seu Coração”, que a Virgem Maria, que em sua vida nunca deixou de confiar em Deus, redescubra em nós a necessidade vital de nos confiarmos a Ele todos os dias”.

Anterior 27/06/2021 - 13º Domingo do Tempo Comum
Próximo 22/06 - São João Fischer e São Tomás More