Papa no Regina Coeli: Por nós o Senhor se assentou ao lado direito do Pai


Regina Coeli no Domingo da Ascensão do Senhor(imagem: Vatican News)

“Na verdade, se foi por nós que Jesus desceu do céu, é sempre por nós que ele sobe para lá”

[Eduardo Honorato Paulo, 17/05/2021 – Redação CatolicaWeb] Neste VII domingo da Páscoa, o Papa Francisco conduziu o Regina Coeli da janela do Palácio Apostólico junto com os fiéis reunidos na praça de São Pedro.

O Santo Padre recordou no Evangelho de hoje a ascensão do Senhor e sua despedida aos discípulos. Lembrou que despedidas geralmente são tristes pois implicam uma separação, um distanciamento, mas não era exatamente isso que estava para acontecer naquele momento. O Senhor iria subir ao Céu, mas continuaria com o seus. O Papa explica esse paradoxo:

“Apesar da separação do Senhor, não se mostram desconsolados, pelo contrário, estão alegres e prontos a partir como missionários ao mundo….Por que os discípulos não estão tristes? Por que também nós devemos nos alegrar ao ver Jesus que sobe ao céu? “A ascensão completa a missão de Jesus entre nós. Na verdade, se foi por nós que Jesus desceu do céu, é sempre por nós que ele sobe para lá. Depois de ter descido à nossa humanidade e tê-la redimido, ele agora sobe ao céu levando nossa carne com ele. À direita do Pai senta-se agora um corpo humano, o corpo de Jesus, e neste mistério cada um de nós contempla o próprio destino futuro.”

Francisco ainda reflete sobre um lindo mistério: Jesus subiu e se sentou a direita de Deus também como homem, levando consigo nossa carne e nossa humanidade, e assim como Deus ao lado de Deus Ele intercede ao Pai também como homem, por nós homens:

“Não se trata de forma alguma de um abandono, Jesus permanece para sempre com os discípulos – conosco –  permanece na oração, porque ele, como homem, reza ao Pai, e como Deus: homem e Deus. Jesus mostra ao Pai as chagas, as chagas com as quais nos redimiu.

A oração de Jesus está ali, com nossa carne: é um de nós, Deus homem, e reza por nós. E isto deve nos dar uma segurança, aliás, uma alegria, uma grande alegria! E o segundo motivo de alegria é a promessa de Jesus. Ele nos disse: “Eu vos enviarei o Espírito Santo”. E ali, com o Espírito Santo, é feito aquele mandamento que Ele dá precisamente na despedida: ‘Ide pelo mundo, proclamai o Evangelho’.”

O Papa concluiu nos ensinando que é o Espírito Santo prometido por Jesus que irá nos guiar em nossa missão de sermos testemunhas do Ressuscitado, sem Ele nada poderemos fazer:

E será o Espírito Santo que nos levará pelo mundo, para levar o Evangelho. É o Espírito Santo daquele dia, que Jesus prometeu e, nove dias depois, Ele virá na festa de Pentecostes. Foi precisamente o Espírito Santo que tornou possível que todos nós sejamos assim hoje. Uma grande alegria! Jesus se foi: o primeiro homem perante o Pai. Ele partiu com as chagas, que foi o preço de nossa salvação, e reza por nós. Depois nos envia o Espírito Santo, nos promete o Espírito Santo, para irmos e evangelizar. Daí a alegria de hoje, daí a alegria deste Dia da Ascensão. A evangelização, por mais empenhativa, exigente e superior às capacidades humanas, será tão verdadeira e eficaz quanto cada um de nós – e toda a Igreja – deixar o Senhor agir dentro de si e por meio de si. Isso é o que o Espírito Santo faz: nos torna instrumentos por meio dos quais o Senhor pode operar.”

Terminando a oração, Francisco pediu à Nossa Senhora Rainha do Céu que ela nos ajude a testemunhar o Ressuscitado em nosso dia a dia.

Anterior 23/05/2021 - Pentecostes
Próximo 18/05 - São Félix de Cantalice