Semana Santa: O Sábado da Ressurreição


Semana Santa: O Sábado da Ressurreição

“Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.” (I Coríntios 15, 14)

São Paulo ao escrever estas palavras à comunidade de Corinto traduz a essência da celebração do Sábado Santo. O que no início do Tríduo Pascal começou com um testamento do Senhor para nós e, na Sexta-feira de sua Paixão, a prova definitiva do Seu amor incondicional por nós, hoje o sábado ainda começa com o gosto amargo da morte do Senhor no Lenho da Cruz.

O luto que vivemos após a sua morte é real e deixa uma lacuna dentro de nós, pois o Senhor não está no meio de nós nesse período entre a sexta e o sábado. O sacrifício do Senhor sempre se renova através do Corpo Místico da Igreja o qual Ele é a cabeça e nós, o povo o qual Ele se entregou até a morte, somos os membros. Portanto, a liturgia da Igreja nos recorda todos os anos o Memorial da Paixão do Senhor e sua morte na cruz.

Até este ponto, o humano Jesus fez tudo o que pôde, isto é, viveu como um homem de seu tempo, trabalhou, comeu, iniciou sua vida pública, anunciou o Reino de Deus, deixou para nós o seu testamento, que é a Eucaristia, foi preso e foi torturado.

Não bastando à dor física, também lhe havido sido tirada sua dignidade humana e foi exposto como um verme, mas Ele ainda possuía muito ao estar pregado na cruz. Ele tinha a preciosa maternidade de Maria e, ao olhar para ela, não hesitou em entregá-la aos seus assassinos, eu e você.

O humano Jesus se consumiu por inteiro em corpo, dignidade, alma e até a última gota de sangue e, após horas de sofrimento, morreu. Ele sendo o Deus que É e que criou tudo, partiu deste mundo sem nada. O Amor havia dito o seu último “Eu te amo”.

O Amor, enfim, amou.

O que nos restou foi um profundo pesar e um vazio que havia sido preenchido pelo humano Jesus. A ausência que o Senhor criou ao morrer nos ensina muito.

Há espaços dentro de nós que o humano não pode preencher.

O humano Jesus preencheu esse espaço em nós com suas palavras e com seu amor. Ele nos cativou a ponto de nós fazermos juras de amor e fidelidade às quais não podemos cumprir. Sua presença humana já era parte da nossa vida e assim era para seus discípulos a ponto de largarem tudo só para estar junto do Mestre.

O humano Jesus ao morrer quebrou nosso coração ao mostrar que nossa humanidade é frágil.

Agora, ainda sofremos com a triste partida do Mestre que tanto fez por nós e nos incomoda o vazio que Ele deixou. Ao entrar numa igreja a sensação de vazio causa agonia, pois Ele não está ali.

O humano Jesus se foi e a saudade grita em nossos corações.

Contudo, o mesmo Jesus nos prometeu que ressurgiria. O mesmo Senhor que fez tantos milagres e prodígios prometeu que iria ressuscitar dos mortos.

O Deus Filho Jesus prometeu que venceria a morte.

Sim, o nosso amado Mestre na noite deste sábado irá mais uma vez ressurgir! Ele irá novamente nos mostrar que Ele está vivo no meio de nós! Mais uma vez ele irá mostrar que a morte, que é o fim da nossa humanidade, não possui a palavra final!

Ao iniciar com o trecho da carta de São Paulo, quis expressar que um homem qualquer poderia ter feito os atos que Jesus fez, pois Ele mesmo nos disse que nós somos capazes de fazer prodígios maiores que os que Ele fez. Contudo, há coisas que só Ele poderia fazer e foi para isso que Ele veio:

O Deus Filho Jesus pagou por nossos pecados e foi obediente até a morte na cruz e ressuscitou dos mortos vencendo assim a morte!

Nossa Fé só tem sentindo se Cristo ressuscitou.

Se Ele não foi capaz de vencer a morte, se Ele não rompeu a escuridão que a morte trouxe, se Ele não ressurgiu como havia prometido, nós, cristãos católicos, somos dignos de pena, pois celebramos o Memorial da Paixão de alguém que não está vivo e, portanto, não está em nosso meio e nosso fim será o nada.

Por isso, o Sábado Santo começa com a benção do fogo, porque Cristo ao romper a escuridão da morte com sua ressurreição nos abre um caminho. Ele, ao ressurgir, ilumina o Caminho o qual devemos seguir, Ele nos trás a Verdade a qual tanto buscamos em nossas vidas, Ele nos guia para a Vida.

Este Caminho, Verdade e Vida é Ele mesmo! É o Cristo Ressuscitado!

O Cristo Ressuscitado reina vivo e é para nós o verdadeiro Pastor que nos conduz às Fontes de Água Pura, aquela Água que quem beber não terá mais sede. Ele nos guia para estas Águas a fim de que nós também participemos da Sua vitória sobre a morte e assim preencher de maneira definitiva os espaços que existem em nós.

O Senhor quer que nós ressuscitemos com Ele.

E, por isso, Ele deixou seu testamento, deixou Maria como Nossa Mãe, nos deu o exemplo a partir de seus atos e pelos atos de seus discípulos e Ele sopra sobre nós o Espírito Santo.

É pelo Mistério de sua morte e ressurreição que a Igreja canta hoje a proclamação da Páscoa, que antes era a libertação do povo de Israel da escravidão do Egito e, hoje, é para nós o testemunho vivo dos apóstolos, que viram Cristo Ressuscitado, e nos convida a fazer parte deste povo que foi resgatado por Ele.

Nesta noite de alegria verdadeira, que novamente nos recorda a volta triunfante do nosso amado Mestre da Mansão dos Mortos, que nos une ao Céu, que rompe o mal que há em nós pelo Batismo, que possamos nos unir a Igreja e a Comunhão dos Santos que grita:

RESSUSCITOU DE VERDADE! Ó REI, Ó CRISTO PIEDADE!

Anterior Semana Santa: A Paixão de Cristo
Próximo 04/04 - Santo Isidoro