Semana Santa: As dores de Maria


Semana Santa: As dores de Maria

A espada de dor – uma tarefa difícil

Um dos momentos da Semana Santa é a celebração das Dores de Maria, ou As Sete Dores de Maria.

Maria sabia que ser escolhida para ser a mãe do Salvador, não seria uma tarefa fácil, a partir de seu sim, ela aceitou o sofrimento que lhe aguardava, sem saber qual seria a reação de José, se ele estaria ao seu lado, se daria o amparo, ela aceitou e confiou em Deus, e seguiu confiante que Ele providenciaria tudo.

Em Maria encontramos um exemplo de maternidade, aquela maternidade a partir do coração, do amor, pois somente assim, foi capaz de suportar todas as provações, ela não apenas gerou fisicamente, mas com o coração.

Nas nossas vidas, encontramos muitas mães, que geram seus filhos com o coração, que estão ligados pelo cordão do amor, e sofrem igualmente, e vivem igualmente as dores de seus filhos, não existem diferenças quando é o amor que gera.

E assim temos as 7 Dores de Maria.

1 – A profecia de Simeão (Lucas 2,34-35)

E assim Maria soube naquele momento de alegria, quando apresentava Jesus no templo, qual seria o teu sofrimento, pois a espada iria traspassar não o teu corpo, mas tua alma, ela sofreria as dores de Teu filho. Quantas vezes sofremos as dores dos outros, quantas vezes nossos corações não sentem a agonia, de não poder diminuir ou eliminar a dor do próximo, e principalmente daqueles a quem amamos, nos resta em silencio pedir ao Pai clamando sua Misericórdia.

2 – A Fuga para o Egito (Mt 2, 13-14)

E José e Maria, fugiram para proteger o Menino Jesus, imaginamos o sofrimento e o medo de Maria, com a possibilidade de ter o Seu Menino, ferido ou morto, pela ganância e poder, um sentimento de proteção que vemos em nossas mães, e que velam e zelam pelos seus.

3 – “Maria procura Jesus em Jerusalém” (Lc 2, 43-45)

Aqui temos a angústia de perder um filho, não saber onde está e como está, e a alegria de encontrá-lo bem, mas sabendo que seria assim sua vida, Ele não estaria com ela todos os seus dias. As mães sabem que um dia seus filhos vão caminhar com suas próprias pernas, mas isso não impede de sentir medo do que pode acontecer, pois existe o olhar de mãe, que sempre quer dar carinho, atenção e estar junto. Mas temos as mães que passam por esta triste experiência de não saber onde estão seus filhos, e como estão, e que infelizmente não tem a alegria do encontro e sofrem com a alma esta perda.

4 – “Jesus encontra sua Mãe no caminho do Calvário”

Que dor Maria sentiu, ver Teu Filho amado, justo, inocente, flagelado, Aquele quem carregou e cuidou, tendo o seu Santo Sangue espalhado, pela via dolorosa, sofrendo dores que ninguém suportaria, com certeza, ali naquela troca de olhares, houve a troca do amor e da dor. Pois não é necessário a voz, na linguagem do amor.

5 – “Maria ao pé da Cruz” (João 19, 25-27)

E Maria se manteve de pé, diante da cruz, não podemos imaginar, quantas lagrimas escorreram de seus olhos, e ver que tudo estava consumado e que ali o seu Menino voltava para a casa do Pai, e que a lança que rasgou o Teu lado, também foi cravada em tua alma. E Jesus mesmo depois de tantas dores, sofrimentos, de todo o Teu Sangue se derramar, e derramado por todos nós, por toda a humanidade, pelos nossos pecados. E no último pedido, que ela nos adote, e que tenhamos nela, a mãe que não se afasta, que não desiste, que sempre está ao nosso lado, que sempre intercede por nós. Maria uma mulher forte, sofrida e com um olhar doce.

6 – “Maria recebe nos braços o corpo do Filho”

Receber seu Menino, sem vida, com Teu corpo irreconhecível, o seu último abraço a aquele a quem tanto teve em seu colo, a quem tanto carinho, amor e proteção teve. Quantas mães que buscam em Maria a força para se despedirem de seus filhos, ou aquelas que nem sequer o último abraço foi possível. Maria, exemplo de amor e força incomparável, mas seguido por muitas mulheres, que buscam a sua intercessão, ajuda e força, para viver as alegrias e incertezas da maternidade.

7 – “Maria deposita Jesus no sepulcro” (João 19, 40-42)

E assim Maria sepulta o corpo de Seu Filho, e novamente o vê envolto de faixas, e ali também, vemos uma mãe e uma filha, mãe de Jesus e filha de Deus Pai, que Nele confia, e sabe que sua missão não terminou ali, pois ela se tornou a mãe da humanidade, e precisava continuar a caminhada junto aos discípulos, e por todos nós.

Oh! Mãe a ti eu rogo vossa intercessão por toda a humanidade! E te peço perdão, pois sofreste por todos nós naquela Via Dolorosa, pois Teu Filho se entregou por nossos pecados, foi por nós que Ele morreu naquela cruz, por nossos erros e pecados.

Oh! Mãe a ti eu rogo vossa intercessão, por todas as mulheres que assumiram a maternidade com o coração de mãe! E te peço perdão por todas que tiraram a vida de seus filhos.

Oh! Virgem do Silêncio, das Dores, Piedosa e Advogada nossa, rogai por nós junto ao Teu Filho para alcançarmos a graça da cura e pela saúde destes teus filhos pecadores.

Anterior Semana Santa: A via-sacra
Próximo 31/03 - São Guido