O cuidado que oferecemos pode se tornar algo muito maior.

O que você faz por amor? Como no texto anterior, eu estou iniciando com uma pergunta e acredito que questionar é o grande passo para respostas consistentes e coerentes. É bem verdade que as respostas podem demorar em nosso tempo humano, mas no tempo de Deus elas são rigorosamente pontuais.

Na verdade, a pergunta certa é: O que você faz por Amor?

Existe uma diferença fundamental entre as palavras “amor” e “Amor”. O “amor”, com “a” minúsculo, é a decisão e o ato de “amar” no sentido humano e, N-Ã-O-! O “amor” NÃO é um sentimento, pois ele é uma decisão tomada conscientemente e diariamente em praticar a ação de “amar”.

O “Amor”, com “A” maiúsculo, é o próprio Deus, pois como diz São João:

“Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.” (I João 4, 7 – 8)

Se Deus é “Amor” e todo o que ama se decidiu por “amar” conscientemente e diariamente, então podemos dizer que conhecemos a Deus, pois estamos no caminho certo em “Amar” como Ele Ama.

Repare que existe uma diferença, novamente, entre “amar” e “Amar”. O “amar”, com “a” minúsculo, é o produto ou consequência direta do “amor” que decidimos conscientemente e diariamente.

E o “Amar”, com “A” maiúsculo, é o produto ou consequência direta do “Amor” que é o próprio Deus, isto é, como Deus Pai e Deus Filho são Um Só, o que procede desta União Infinita de Amor é a Ação “Amar”. De maneira mais direta, o “Amar” é o Deus Espírito Santo, é Ele que Ama através das pessoas do Pai e do Filho.

Voltemos as perguntas que fiz: O que você faz por amor? O que você faz por Amor?

Numa época de tantos questionamentos e tantas declarações falsas de amor, temos quase que uma resposta pronta do que faríamos em situações hipotéticas ou reais que nem sempre são de fato sobre “amor” ou “Amor”.

Não quero me alongar em questões fúteis sobre o “amor midiático” que vemos por aí, então vou falar especificamente do “amor” e do “Amor” que expliquei anteriormente.

Quando decidimos “amar”, temos um compromisso sério que envolve nosso corpo e alma de modo a frutificar esta relação seja ela de amizade, namoro, parental ou consideração.

Se é compromisso, nossa palavra não é dissimulada e jogada ao vento.

Então somos diretamente responsáveis pelo “amor” que oferecemos e, acredite, nossa palavra tem e deve ter valor.

Contudo, nossa limitação humana não permite que nossa palavra seja dita ad infinitum, isto é, nossa condição humana e corrupta não permite que o dito seja eterno. Logicamente, esta é a justificativa do porquê o “amor” não é um sentimento, pois é preciso, como dito anteriormente, ser decidido conscientemente e diariamente.

O que fazemos por “amor”, é a confirmação da nossa decisão de “amar”. É o cuidado que temos com o outro, na forma de nos tratar, no respeito, no carinho, na paciência nos sofrimentos e enfermidades, nas adversidades e também é as alegrias de um objetivo alcançado, na conquista pessoal ou conjunta, na felicidade em compartilhar uma refeição com os que são queridos ao nosso coração.

O que fazemos por “amor” deve ser um serviço exclusivo de doação e carinho ao próximo. Não são juras ou provas românticas que compõe esta decisão de “amar”, o que comprova o “amor” é o “Amor” que transparecemos ao “Amar”.

Se em nosso “amor” transparecer, mesmo que minimamente, o “Amor” o nosso “amar” será o “Amar” de Deus em nossas relações.

Que grande privilégio temos de oferecer o perfeito “Amor” ao próximo, através do nosso imperfeito “amor”, que por Ação do “Amor”, isto é, do “Amar”, Ele se oferece e Ama em nós.

Mas e a outra pergunta? O que fazemos por Amor?

Se nosso “amor”, que é imperfeito, já é uma responsabilidade em relação ao “amado”, o que podemos dizer em relação ao “Amado”?

Novamente, “amado”, com “a” minúsculo, é quem recebe o nosso “amor” aqui nesta terra e, com algum esforço, pode receber “Amor”, mas o “Amado”, com “A” maiúsculo, é próprio Deus, então se nossa responsabilidade é infinita em relação ao “amado”, quanto mais infinita será em relação ao “Amado”!

O “Amado” é Deus Filho, pois:

“Então, da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho muito amado; ouvi-o!”.” (Lucas 9, 35)

Para “amar” o “Amado” é preciso pedir o “Amar” a Deus Pai. É somente pela Ação do Espírito Santo que podemos “Amar” Deus Filho e Deus Pai e “Amando” Eles, vamos “Amar” Deus Espírito Santo também.

O “Amor”, isto é, Deus Pai, enviou a nós o “Amado”, Deus Filho, para aprendermos “Amar”.

E o “Amado” ensinou o que devemos fazer por Amor:

“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando.” (João 15, 12 – 14)

De maneira objetiva, se observarmos este mando do “Amado”, estaremos dando a maior e verdadeira prova de “amor” que poderíamos dar ao “Amor”. E o “Amado” sabia que precisaria ensinar como “Amar” e, em Pentecostes junto com Maria, “Amar” tornou-se possível a nós.

Que possamos estar abertos a este “Amar”, a fim de “Amar” o “Amor” e o “Amado” que reside em nosso próximo. Que por “Amor” decidamos sempre em “Amar”, demonstrando assim o perfeito cumprimento do mandamento do “Amado”. Que o “Amor” permaneça em nós, através do “Amado” que comungamos, por Graça e Ação do “Amar”.

De um católico qualquer,
Gabriel Bondioli Piterutti


O que você faz por amor? - UCQ
A foto que escolhi: Que a Chama do "Amor", acenda em nós o "Amar" do "Amado".
Anterior Quinta-feira, 23/09/2021
Próximo 24/09 - São Geraldo