Quem fica não tem data certa para terminar o luto. É uma luta diária, pois são lembranças, é amor que foi partilhado e compartilhado, foi vivido

[Renata Neli, 01/11/2021 – Redação CatolicaWeb] O momento em que entramos em luto é um momento de dor, e que não é possível medir, quantificar, ou qualificar, pois é a hora que toda a nossa humanidade é colocada a prova, pois descobrimos que estamos sozinhos; “mas nossa, tinha tanta gente em volta!” Ter pessoas em nossa volta é muito importante, mas nosso coração está sozinho, e é ali que tudo acontece, a dor, a saudade a ausência, e até a revolta e o inconformismo, em alguns casos.

Alguém que amamos, e que ocupa um espaço importante em nossos corações, não mais será possível conectar o pulsar dos corações num abraço, o olhar que invade a alma e acalma, um sorriso que desmonta o mau humor, um afago que conforta, as palavras que podem não ser muito certas, mas que fazem sentido, ou o simples fato de estar ao lado e compartilhar o silencio da linguagem do amor.

Em nossa humanidade, podemos ter inúmeras reações, e não podemos julgar, cada um sabe a intensidade da dor que está ali dentro, e de alguma forma transborda, num grito, num choro, ou qualquer reação, que possa esvaziar um pouco, para que se possa manter em pé.

Em poucos segundos tudo se confunde e mistura, e por vezes questionamos a Deus, do porquê? Do momento, da forma, do jeito, aquela pessoa.

Mas se conseguir acalmar um pouco o coração, perceberá que uma calma e serenidade, vai invadi-lo, e ali, é Deus, te confortando e consolando, pois somos filhos Dele, e Ele não quer nenhum de seus filhos, carregando uma cruz mais pesada que suas forças, então, quem nos fortalece para continuar, é Deus Pai de Eterna bondade, não vamos perder tempo em nossas vidas, questionando Ele, pois esteve todo o tempo ao nosso lado, ao lado de quem se foi, e que foi no colo Dele, para não mais sofrer.

Quem fica, não tem data certa para terminar o luto, é uma luta diária, pois são lembranças, é amor que foi partilhado e compartilhado, foi vivido, por isso é tão importante estar junto, ou se fazer presente, dizer que ama, se permitir amar, mostrar e demonstrar o amor, se deixar ser amado, pois somente assim teremos a certeza de que se viveu tudo que foi possível ser vivido.

Nos tempos que estamos vivendo, é muito triste, não poder se despedir, ter o mínimo de dignidade na despedida, o último carinho de escolher a roupa que gostava, a flor preferida, ter as pessoas queridas juntas numa oração, ver e tocar pela última vez quem tanto se ama, hoje é um privilégio.

A tristeza não se controla, a saudade não se resume, as lagrimas vem, nem que sejam junto da água do banho, sentir o vazio é inevitável, e assim segue a luta neste luto, que não tem dia e nem ano certo para acabar.

Mas o amor, é aquele sentimento capaz de te encher e te erguer, pois somente ele pode explicar tudo que se viveu, e dar a chance de reviver tantas lembranças e tanto carinho, pois o amor vem de Deus, e é Ele em nós, e amar quem te ama, é amar a Deus.

O amor vence sempre, transpassa e segue amando.

Renata Neli
Redação CatolicaWeb

Anterior Papa no Angelus: Assimilar a Palavra de Jesus dentro do coração
Próximo Segunda-feira, 01/11/2021