Episódio 4: Uma preciosidade escondida entre as linhas da vida.

Hoje, tive a chance de observar o pôr do sol e, diante deste espetáculo cotidiano com suas cores, texturas e imponência, ali estava eu, junto da minha namorada, observando e tirando algumas fotos. Foram alguns breves minutos e estava tentando reproduzir a obra de arte que se montava no céu.

Era um laranja bem intenso, com algumas nuvens pesadas no horizonte e o sol conseguia romper as “frestas” deixadas pelas nuvens e nos dar um céu colorido cheio de contraste.

A natureza gratuitamente desenhava um quadro belíssimo.

A natureza não é Deus, mas, como obra das mãos Dele mesmo, carrega Sua marca. É bem interessante observar Deus nas entrelinhas da Sua própria Criação e a natureza, a princípio, faz isso de maneira magistral.

Entretanto, nem sempre podemos admirar a natureza. As vezes, o que temos pra hoje, é só mais um dia comum daqueles em que ver Deus ou ser mais santo é um desafio imenso.

Os nossos sentidos precisam procurar Deus.

Pode ser uma música, uma leitura, um conselho, uma sensação, um cheiro, mas se não prestarmos atenção, Deus passou por nós e nem vimos. O profeta Elias nos ensina isso:

“O Senhor disse-lhe: ‘Sai e conserva-te em cima do monte, na presença do Senhor! Ele vai passar’. Nesse momento, passou diante do Senhor um furacão, tão violento que fendia as montanhas e quebrava os rochedos, mas o Senhor não estava naquele vento. Depois do vento, a terra tremeu, mas o Senhor não estava no tremor de terra. Passado o tremor de terra, acendeu-se um fogo, mas o Senhor não estava no fogo. Depois do fogo, ouviu-se o murmúrio de uma brisa ligeira. Tendo Elias ouvido isso, cobriu o rosto com o manto, saiu e pôs-se à entrada da caverna.” (I Reis 19, 11 – 13)

O Senhor fala conosco de várias maneiras, mas se nossos sentidos não estiverem aguçados e atentos, não vamos conseguir sentir a presença Dele. Podemos correr o risco de ser cegos que enxergam, surdos ouvintes ou até ser insensíveis como uma pedra.

Jesus falava o tempo todo sobre Deus Pai e, ainda assim, pediam que lhes fosse mostrado o Pai. Não eram suficientes os milagres, as curas, prodígios, palavras de sabedoria, pois o povo não queria ver Deus em Jesus, muito menos aceitar que Ele era Deus.

Mesmo em nossos dias mais difíceis, quando parece que Deus está longe de nós, se nosso coração O buscar sinceramente, vamos encontrá-Lo, pois o Senhor mesmo nos diz:

“Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, se abrirá. Quem dentre vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir pão? E, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem.” (Mateus 7, 7 – 11)

Isto significa que “ver” ou sentir Deus é um ato que parte de nós mesmos, pois Ele não se nega a nós. Eu tenho certeza que, nos detalhes do seu dia, vai ter alguma situação que Deus vai estar presente (apesar de estar ali o tempo todo sempre!).

Observe os pássaros, as árvores, a água, um “bom dia” que alguém disse, uma refeição feita com carinho, um gesto de gentileza, “entre tantas outras linhas” do nosso dia, somos convidados a ver o que está escrito nelas e não somente percorrê-las até o final da página.

Deste modo, vamos descobrir que Deus deixou uma marca em cada um de nós e em cada coisa criada apenas aguardando o momento em que nós vamos notar tais preciosidades.

Que eu consiga ver Deus nas entrelinhas da minha vida e que eu não queira somente chegar ao final das páginas, mas sim deixar minha marca junto da Dele e que seja uma marca com imagem e semelhança à Dele.

De um católico qualquer,
Gabriel Bondioli Piterutti


Um católico qualquer - Pôr do sol
A foto que escolhi: O "até logo" do sol que presenciei ao lado da mulher mais linda do mundo.
Anterior 5º dia: Oh, Auxiliadora, auxilie os profissionais da saúde
Próximo 21/05 - Santo André Bóbola