Nossas atitudes diante da Prova de Amor do Senhor.

A Celebração Eucarística é, sem dúvida alguma, o centro da nossa Fé, pois Cristo é o personagem principal deste grande Mistério. Talvez não tenhamos a dimensão do que significa este Memorial que é celebrado todos os dias do ano com exceção da Sexta-feira Santa.

Fico pensando que, talvez, nós não damos a devida importância para a Santa Missa.

Geralmente, em uma hora temos um resumo da História da Salvação e podemos contemplar um milagre com nossos próprios sentidos ao ver o sacerdote consagrar pão e vinho em Corpo e Sangue de nosso Senhor.

Um dos momentos que tenho refletido ultimamente, é o momento que dizemos (ou cantamos) o “Cordeiro de Deus”.

Observando as ações do sacerdote vemos que ele pega a Sagrada Comunhão, que havia levantado no momento da consagração, e A parte ao meio e ainda parte um outro pedaço menor e coloca no cálice com o Sangue.

Neste momento, peço que você pense um pouco no que significa este ato.

O sacerdote, ao partir ao meio o Corpo, está, literalmente, revivendo o momento o qual nosso Senhor se entregou por nós. É como se estivéssemos imolando novamente o nosso Senhor e isto tem um peso considerável.

Quantas vezes (começando por quem está escrevendo este texto), IGNORAMOS este momento. Estamos “olhando pro nada”, conversando, preocupados com o que vamos fazer depois da Missa, se está sol e tantas, TANTAS outras coisas pífias diante desta Memória Viva que deveríamos estar presenciando com muito mais amor e carinho.

É triste para dizer no mínimo o que significa este descaso que temos com o Sacrifício do Senhor.

Em todas as Celebrações Eucarísticas há este momento e este nos traz novamente o Martírio de nosso Senhor, é como se Ele estivesse se entregando por nós de novo! Na verdade, Ele ESTÁ se entregando por nós de novo!

Jesus é extremamente apaixonado por nós e ele deixou este Testamento para que possamos recordar e vivenciar este Sacrifício.

E qual nossa resposta a este Amor Puro?

Penso que nosso Senhor se entristece com nossa atitude diante do Seu Amor. Imagine-se as três horas da tarde no dia em que nosso Senhor foi crucificado, agora pense no seu comportamento durante o momento da Celebração Eucarística que descrevi antes.

Infelizmente, penso que eu seria um daqueles tantos que debochavam do Senhor, que apreciava àquele espetáculo de horror, que ria dele e que pensava em nos outros tantos afazeres que haveria de fazer para celebrar a Páscoa que estava chegando.

Acredito que hoje, infelizmente, alguns ainda agem assim, porém não fazem de maneira direta, mas mesmo depois de prestar atenção em tudo, menos no Sacrifício do Altar, ainda temos a coragem de ir comungar.

Não merecemos a Eucaristia. Ainda que sejamos santos em tudo, nós não a mereceríamos. Nós não merecemos tal Prova de Amor. Quantas vezes vamos cantando na fila da Comunhão totalmente dispersos e como se estivéssemos num lugar qualquer.

É triste. Ainda bem que existe o Sacramento da Confissão.

Que possamos contemplar o Mistério do Altar com o coração sincero. Que, na próxima Celebração Eucarística, possamos dar a devida atenção ao Sacrifício de Jesus por nós. Que tudo seja secundário no momento em que estivermos recordando o Memorial da Paixão do Senhor. Que possamos aceitar este Amor incompreensível e incomparável. Que tenhamos consciência de não somos dignos deste Presente que é a Sagrada Comunhão. Que tenhamos, ao menos, respeito e controlemos nossas ações durante a Santa Missa.

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, dai-nos a paz!

De um católico qualquer,
Gabriel Bondioli Piterutti


A indiferença ao Amor - UCQ
A foto que escolhi: A Celebração Eucarística é o Memorial da Paixão do Senhor, é o Seu Amor doado livremente a nós.
Anterior Quarta-feira, 29/09/2021
Próximo Quinta-feira, 30/09/2021