A necessidade de sermos firmes na Fé

Contrariedade é uma realidade na vida do Cristão Católico. Observe a vida dos Santos e veremos que muitos sofreram com situações as quais suas atitudes edificantes foram motivo de perseguições humanas e espirituais. A pergunta que podemos fazer é: Por que tais homens e mulheres padeceram tanto por causa de seu amor a Cristo e à Igreja?

A resposta, ao meu ver e na minha modesta opinião, é:

Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como as pombas. Cuidai-vos dos homens. Eles vos levarão aos seus tribunais e sereis açoitados com varas nas suas sinagogas. Sereis por minha causa levados diante dos governadores e dos reis: servireis assim de testemunho para eles e para os pagãos. Quando fordes presos, não vos preocupeis nem pela maneira com que haveis de falar, nem pelo que haveis de dizer: naquele momento vos será inspirado o que haveis de dizer. Porque não sereis vós que falareis, mas é o Espírito de vosso Pai que falará em vós. O irmão entregará seu irmão à morte. O pai, seu filho. Os filhos se levantarão contra seus pais e os matarão. Sereis odiados de todos por causa de meu nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo. Se vos perseguirem numa cidade, fugi para uma outra. Em verdade vos digo: não acabareis de percorrer as cidades de Israel antes que volte o Filho do Homem. “O discípulo não é mais que o mestre, o servidor não é mais que o patrão. Basta ao discípulo ser tratado como seu mestre, e ao servidor como seu patrão. Se chamaram de Beelzebul ao pai de família, quanto mais o farão às pessoas de sua casa! Não os temais, pois; porque nada há de escondido que não venha à luz, nada de secreto que não se venha a saber. O que vos digo na escuridão, dizei-o às claras. O que vos é dito ao ouvido, publicai-o de cima dos telhados. Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena. Não se vendem dois passarinhos por um asse? No entanto, nenhum cai por terra sem a vontade de vosso Pai. Até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois! Bem mais que os pássaros valeis vós. Portanto, quem der testemunho de mim diante dos homens, também eu darei testemunho dele diante de meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus. Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada. Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra, e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a mim não é digno de mim. Quem ama seu filho mais que a mim não é digno de mim. Quem não toma a sua cruz e não me segue não é digno de mim. Aquele que tentar salvar a sua vida irá perdê-la. Aquele que a perder, por minha causa, irá reencontrá-la. Quem vos recebe, a mim recebe. E quem me recebe, recebe aquele que me enviou. Aquele que recebe um profeta, na qualidade de profeta, receberá uma recompensa de profeta. Aquele que recebe um justo, na qualidade de justo, receberá uma recompensa de justo. Todo aquele que der ainda que seja somente um copo de água fresca a um destes pequeninos, porque é meu discípulo, em verdade eu vos digo: não perderá sua recompensa.” (São Mateus 10, 16 – 42)

A contrariedade é o “ar” que o Cristão respira. Porque Jesus foi motivo de escândalo para os judeus e nós, hoje, somos motivo de escândalo para o mundo. Quantas histórias de Santos que foram perseguidos e mortos por testemunharem a Vida, o Caminho e a Verdade e Jesus não omitiu este fato a nós, pois Ele mesmo foi perseguido e morto.

A nossa vida vai possuir contrários e cada uma destas adversidades será para nossa santificação. Não cabe a nós comparar nosso sofrimento com o do próximo, pois a Santidade e o sofrimento são mistérios exclusivamente individuais e pessoais.

Há quem possui um chamado a uma vida reclusa e outros a uma vida pública, outros ao sacerdócio e outros ao matrimônio e em cada uma destas expressões de santidade temos seus respectivos sofrimentos associados às individualidades dos envolvidos. Também incluo neste aspecto são nossas provações com doenças, políticas, relações de trabalho e pessoais, dificuldades financeiras, censuras e tantas outras formas de reprimir o anúncio da Palavra de Deus.

Um mero exemplo, é uma enfermidade ou condição que lhe impede de exercer seu ofício para que o Nome de Jesus seja proclamado. Entretanto, se não podemos executar ou nos expressar como fazíamos por conta de uma dificuldade, é nosso DEVER nos adaptarmos e pedir ao Espirito Santo outra forma de agir e de “publicar nos telhados” o que “nos foi dito aos ouvidos”.

Se nos pesa uma forma de contrariedade, devemos ter firme convicção de que esta é para fortalecer a nossa Fé e nos tornar Santos! Como diz São Paulo, mesmo que sejamos abatidos e atingidos de todos os lados, não seremos vencidos, desde que mantenhamos firme os olhos no Senhor, porque se Ele é o motivo de todo nosso sofrimento, isto é para nós uma honra! Deste modo, seremos mais gratos por tudo, incluindo estas provações.

Que tenhamos uma Fé mais madura, que se aproxima do Senhor livre e desprendida das coisas. Que sejamos firmes na Fé e pacientes nas provações. Que nas dificuldades, olhemos para a cruz do Senhor e reafirmemos nosso “sim” e unamos nossos sofrimentos ao Dele.

De um católico qualquer,
Gabriel Bondioli Piterutti


As contrariedades - UCQ
A foto que escolhi: Se o silêncio nos é imposto, utilizemos as pausas para que a música siga em frente, pois sempre haverá uma jeito de se expressar e anunciar a Palavra de Deus.
Anterior Quinta-feira, 25/11/2021
Próximo 26/11 - São Leonardo de Porto Maurício